"Estamos aqui pela Humanidade!" Comuna de Paris, 1871 - "Sejamos realistas, exijamos o impossível." Maio de 68

RUA HERMILO ALVES, 290, SANTA TEREZA, CEP:31010070 - BH/MG - Ônibus : 9103, 9210, sc01; Metrô: Estação Sta Efigênia.
* e-mail: institutohelenagreco@gmail.com * facebook: Inst Helena Greco
REUNIÕES ABERTAS AOS SÁBADOS ÀS 16H - MILITÂNCIA DESDE 2003 - ESPAÇO AUTOGESTIONÁRIO DESE 2005.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

NOTÍCIA SOBRE A III MARCHA INTERNACIONAL CONTRA O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO


NOTÍCIA SOBRE A III MARCHA INTERNACIONAL CONTRA O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO 
 (Realizada em Salvador/BA, 24 de agosto de 2015)
  
            Foi realizada em Salvador/BA, no dia 24 de agosto de 2015, a III Marcha Internacional contra o Genocídio do Povo Negro convocada pela Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto.  O povo negro tomou as ruas da cidade: milhares de pessoas se concentraram no Largo dos Aflitos, a partir das 15h, em frente ao quartel da Polícia Militar mais antigo do Brasil – representação secular da prática colonialista, eugenista, higienista, racista e genocida que ainda vigora no país. Tal prática tem sido levada às máximas consequências em Salvador cujo verdadeiro nome é cidade-túmulo, segundo a Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será MortoParticiparam da marcha representativas delegações de todo o Brasil, além de expressivas delegações internacionais.

            A marcha prosseguiu pela Rua Carlos Gomes até chegar em frente da Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia, outra representação do genocídio institucionalizado no país.  Tal prática – de longa duração – tem se mantido nas gestões petistas de Jaques Wagner/Rui Costa.  Seu secretário de segurança, Maurício Barbosa, continua a implementar a execução em massa do povo negro sempre com o pretexto  da guerra contra as drogas.

            A III Marcha Internacional contra o Genocídio do Povo Negro foi coordenada pelas mulheres militantes da Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto e familiares das vítimas das chacinas periódicas perpetradas pela polícia racista e genocida em todo o país. O protagonismo das mulheres negras é uma das peculiaridades alvissareiras da Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto.

            A denúncia da Chacina do Cabula (Vila Moisés, Salvador-BA, fevereiro/2015) e da absolvição pela juíza Marivalda Almeida Moutinho em rito sumário de todos os militares assassinos responsáveis por ela (julho/2015) constituíram um dos eixos da marcha cujo foco foi o combate à barbárie institucionalizada contra o povo negro.

            Outro eixo que norteou a III Marcha Internacional contra o Genocídio do Povo Negro foi a revigorante reafirmação da coerência da postura apartidária, da combatividade, radicalidade, independência e autonomia peculiares à luta da Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será MortoNa prática da ação direta, houve importante e necessária demarcação com o reformismo, o peleguismo e o gabinetismo de movimentos, ONGs, organizações políticas, partidos, setores ditos de esquerda e do movimento negro que insistem em se manter atrelados ao Estado, aos governos, aos editais e, até, ao aparato repressivo.

            Na manhã do dia 24 de agosto de 2015, antes de partir para a marcha, o campo de futebol da Vila Moisés – palco da Chacina do Cabula, onde foram massacrados os jovens negros em fevereiro deste ano – foi transformado em permanente lugar de memória da luta contra o genocídio do povo negro a partir de ato de inauguração de um Memorial com a seguinte inscrição:

Em memória dos nossos mortos mantemos viva a
luta do povo negro na diáspora.
Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto
24 de agosto de 2015

            O Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania teve a honra de participar diretamente como apoiador deste processo.  Reiteramos nossa homenagem aos nossos irmãos negros massacrados pela polícia racista e assassina.  Reiteramos também nosso apoio incondicional à Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto, aos familiares das vítimas, aos sobreviventes e aos moradores das comunidades assoladas pela repressão sistêmica da polícia e da política de genocídio institucionalizado do povo negro.  Reafirmamos nossa identidade com os princípios de radicalidade, autonomia, independência e autogestão praticados pela Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto.  Repudiamos com veemência todas as perseguições, ameaças e provocações sofridas pelos militantes desta luta - partam elas do aparato repressivo genocida, fascista e racista ou daqueles partidos, organizações políticas e movimentos que se mantêm atrelados ao aparelho de Estado.

Contra o genocídio do povo negro, nem um passo atrás!

Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da Polícia Militar!

Viva a luta da Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto!


 Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania.
Belo Horizonte, 31 de agosto de 2015

·         Leia também:

- PELO FIM DO GENOCÍDIO DO POVO NEGRO! PELA RESPONSABILIZAÇÃO E PUNIÇÃO DE TODOS OS RESPONSÁVEIS PELA CHACINA DO CABULA, SALVADOR/BAHIA (Nota de 30 de julho de 2015):

 http://institutohelenagreco.blogspot.com.br/2015/07/pelo-fim-do-genocidio-do-povo-negro.html


- III MARCHA INTERNACIONAL CONTRA O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO - 24 DE AGOSTO - SALVADOR/BAHIA! 
(Comunicado de 18 de agosto de 2015):
http://institutohelenagreco.blogspot.com.br/2015/08/iii-marcha-internacional-contra-o.html

Fotos/Arquivo: Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania











terça-feira, 18 de agosto de 2015

GRUPO DE ESTUDOS DE ANARQUISMO - IHG/3ª EDIÇÃO (2015)


GRUPO DE ESTUDOS DE ANARQUISMO - IHG
GEA-IHG ✰ 3ª EDIÇÃO (2015)

Todo ano ímpar, no segundo semestre, quatro encontros: de agosto a novembro de 2015 - último sábado de cada mês - de 16h às 18h
Local: Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania (IHG)
- Rua Hermilo Alves, 290, Santa Tereza - BH/MG

 PROGRAMAÇÃO GEA-IHG ✰ 3ª EDIÇÃO (2015)

✰ 1º ENCONTRO (sábado, 29 de agosto de 2015, às 16h): 
MOURA, Maria Lacerda de. Serviço militar obrigatório para mulher? Recuso-me! Denuncio! . In: Serviço militar obrigatório para mulher? Recuso-me! Denuncio! (e outros escritos...). Guarujá, SP: Opúsculo Libertário, 1999 (3ª edição), p. 5-42

*Texto para baixar e imprimir:
http://www.4shared.com/file/9__aygdqba/GEAIHG_1Encontro_29Ago2015.html

Evento: https://www.facebook.com/events/292099660960524/
(Por motivos alheios à nossa vontade o perfil de Facebook Inst Helena Greco foi bloqueado. Estamos tentando resolver a situação).

✰2º ENCONTRO (sábado, 26 de setembro de 2015, às 16h): 
GOLDMAN, Emma. O indivíduo, a Sociedade e o Estado. In: TOLSTOI, Leon. A Insubmissão e GOLDMAN, Emma. O indivíduo, a Sociedade e o Estado. São Paulo: Imaginário, 1998, p.23-46.

*Texto para baixar e imprimir:
http://www.4shared.com/file/2p6VqYooce/GEAIHG2Encontro26Set2015.html

Evento:https://www.facebook.com/events/1451612395142052/1451612401808718/
(Por motivos alheios à nossa vontade o perfil de Facebook Inst Helena Greco foi bloqueado. Estamos tentando resolver a situação).

✰ 3º ENCONTRO (sábado, 31 de outubro de 2015, às 16h): 
RAGO, Margareth. Revolução e poder: A FAU e a Revolução Cubana. In: Entre a história e a liberdade Luce Fabbri e o anarquismo contemporâneo. São Paulo: Editora Unesp, 2001, p. 239-247.

*Texto para baixar e imprimir:

Evento: https://www.facebook.com/events/690539777745381/
(Por motivos alheios à nossa vontade o perfil de Facebook Inst Helena Greco foi bloqueado. Estamos tentando resolver a situação).

✰ 4º ENCONTRO (sábado, 28 de novembro de 2015, às 16h) 
- Direitos Humanos, Cidadania, Memória, Verdade e Justiça na perspectiva anarquista:
RODRIGUES, Edgar. Terceira parte: O assalto, O inquérito policial-militar, Os anarquistas no banco dos réus e Posfácio. In: O anarquismo no banco dos réus (1969-1972). Rio de Janeiro: FJR-Editores Associados, 1993, p. 49-86. 

*Texto para baixar e imprimir:
http://www.4shared.com/file/AiMuM_NJba/GEAIHG4Encontro28Nov2015.html

Evento: https://www.facebook.com/events/408478582672374/
(Por motivos alheios à nossa vontade o perfil de Facebook Inst Helena Greco foi bloqueado. Estamos tentando resolver a situação).

*Solicitamos a todas e todos que venham com os textos lidos em mãos! 
*Textos disponíveis no local para fotocópia - Caderno de Textos que pode ser adquirido.
* PARA QUEM QUISER PODEMOS ENVIAR POR E-MAIL OS TEXTOS (PDF) EM ARQUIVOS ANEXOS.

*Informações:


institutohelenagreco@gmail.com

 SOBRE O GRUPO DE ESTUDOS DE ANARQUISMO - IHG (GEA-IHG): 

O GEA-IHG é uma das atividades de difusão e troca de conhecimentos do Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania (IHG) para membros, apoiadores, visitantes, militantes de movimentos sociais, militantes libertários, militantes de esquerda e demais interessados(as). 

Estudamos conceitos, correntes, tendências e a história do Anarquismo. O GEA-IHG é uma proposta dos membros do Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania com a participação de apoiadores e visitantes presentes nas reuniões abertas de sábado. Durante estas reuniões são apresentados e deliberados textos para o grupo de estudos.

O GEA-IHG está aberto para toda a comunidade: é público. Não se trata de órgão de partido - não é fechado, interno ou só para membros. Não é tampouco meio de cooptação de militantes. Não é uma atividade de proselitismo ou de parcialização de versões e ideologias dentro do movimento socialista. O GEA-IHG não é atividade de alguma corrente ou tendência política específica.

É um grupo de estudos a partir da militância dos direitos humanos e cidadania para aqueles (as) que se reivindicam anarquistas, não anarquistas, adeptos de outras correntes socialistas, do movimento popular e para demais interessados(as). Trata-se de um espaço de leitura, de discussão e de exercício do dissenso. A manifestação é livre, é de cada um(a) que participa.

O objetivo é que todos(as) tenham contato com as correntes anarquistas: para que saibam da origem, da história, das ideias e dos movimentos. 

O Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania não é uma organização política ou uma tendência setorial anarquista. O IHG de Direitos Humanos e Cidadania se coloca como um espaço apartidário de unidade de pessoas: trabalhadores(as), estudantes, militantes de movimentos sociais, militantes de esquerda, militantes de movimentos libertários (para além dos ismos) na luta pelos direitos humanos, cidadania, memória, verdade e justiça. Articula-se sempre de forma autogestionária, autônoma e independente com relação ao Estado, governos, comércios, empresas, patrões, parlamento, gabinetes, editais, fundo partidário, burocracia universitária, burocracia sindical e institucionalidade.


Nos grupos de estudos e na militância do IHG de Direitos Humanos e Cidadania não parcializamos, não oscilamos, não especificamos, não sintetizamos, não pós-modernizamos correntes e tendências do socialismo. O GEA-IHG é um espaço de difusão e troca de conhecimentos - uma atividade secundária, pois o foco do Instituto Heleno Greco é constituído pelos direitos humanos e cidadania. Reafirmamos, assim, a nossa unidade de indivíduos e a nossa independência - com classismo (perspectiva da classe trabalhadora) e combatividade. Lutamos contra todas as formas de opressão, exploração e autoritarismo - estamos ombro a ombro com os de baixo na luta contra o capitalismo, contra o totalitarismo de mercado (neoliberalismo) e contra as mazelas do Estado. Machistas, racistas, homofóbicos, lesbofóbicos, transfóbicos, integralistas, fascistas e nazistas não passarão!


Para mais informações sobre o Grupo de Estudos de Anarquismo-IHG entrem em contato, compareçam às reuniões abertas aos sábados, às 16h – participem da construção. Temos o caderno com todos os textos, o qual pode ser adquirido ou fotocopiado. Temos também links para baixar e imprimir.


O GEA-IHG ocorre sempre nos anos ímpares, no segundo semestre, com quatro encontros: de agosto a novembro, no último sábado de cada mês.


O último encontro de cada edição aborda direitos humanos, cidadania, memória, verdade e justiça, luta contra o terror de Estado e do capital na perspectiva anarquista. A 1ª edição do GEA-IHG foi no ano de 2011 (houve 10 encontros). A 2ª edição foi no ano de 2013 - a partir desta diminuímos para quatro encontros.


Não há necessidade de inscrição prévia. O GEA-IHG possibilita a entrada de novos interessados no decorrer do semestre. O(a) interessado(a) pode escolher de quais encontros irá participar. Basta ler os textos e comparecer nos debates. Participe, venha colocar seu ponto de vista.


SAUDAÇÕES LIBERTÁRIAS!

III MARCHA INTERNACIONAL CONTRA O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO

III MARCHA INTERNACIONAL CONTRA O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO - 24 DE AGOSTO - SALVADOR/BAHIA!
O Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania estará presente na III Marcha Internacional contra o genocídio do Povo Negro! 
Somos apoiadores incondicionais da  III Marcha e da Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto! 
- Pelo fim do genocídio do povo negro! Pelo fim das torturas, execuções e desaparecimentos forçados! Pela responsabilização e punição de todos os responsáveis pela chacina do Cabula!
- Toda solidariedade aos familiares das vítimas da chacina do Cabula! Toda solidariedade aos moradores do Cabula e às companheiras e companheiros da Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto! Pelo fim das perseguições!
- Abaixo o racismo e a segregação! Abaixo a repressão!
- Pelo fim de todo o aparato repressivo! Pelo fim da polícia militar e de todas as polícias!
- Nenhum tipo de interlocução com o aparato repressivo!
- Abaixo o terror de Estado e do capital!
- Pelos direitos humanos e pela luta independente em relação ao Estado, aos governos, aos patrões e à institucionalidade!
Saudações às parceiras e parceiros do Movimento de Maioria Negra!
Belo Horizonte, 18 de agosto de 2015
INSTITUTO HELENA GRECO DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA
Evento em rede social:

:

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

REALIZADO O ENCONTRO DE LUTA CONTRA O TERROR DE ESTADO E DO CAPITAL

Encontro de luta contra o terror de Estado e do capital
Realizado, na sexta-feira, dia 14/08/2015, o Encontro de luta contra o terror de Estado e do capital.
Participação de indígenas, vítimas do terror de Estado, estudantes, trabalhadorxs e militantes de movimentos sociais.
Houve uma roda de conversa com Debora Silva Maria (Mães de Maio/SP), Mônica Cunha (Movimento Moleque/RJ), Avelin Cambiwa (Comitê Mineiro de Apoio às Causas Indígenas) e Nilcéa Moraleida (Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça/MG).

- Pelo fim do genocídio do povo negro e dos povos indígenas!
- Pelo fim das torturas, execuções e desaparecimentos forçados!
- Pelo fim da criminalização dos pobres! Pelo fim da criminalização da luta dos Trabalhadorxs do campo, da cidade e do movimento popular!
- Pela liberdade de todxs xs presxs políticxs! Pela liberdade de protesto, manifestação e expressão!

Belo Horizonte, 16 de agosto de 2015.
Notícia: Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania.

Acima/Fotos/Arquivo: Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania.
Abaixo/imagem: Bizoca (Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania), Avelin Cambiwa (Comitê Mineiro de Apoio às Causas Indígenas e Aldeia Umuarama), Debora Silva Maria (Movimento Independente Mães de Maio), Diva Moreira (militante de direitos humanos e do movimento negro), Mônica Cunha (Movimento Moleque) e Nilcéa Moraleida (Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça). Foto: Sávio Leite (cineasta, professor de cinema do Centro universitário UNA e MUMIA - Mostra Udigrudi Mundial de Animação).

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

DIA INTERNACIONAL DOS POVOS INDÍGENAS EM BH



DIA INTERNACIONAL DOS POVOS INDÍGENAS EM BH

Realizada, no dia 09/08/2015, a manifestação Chamada da alma vermelha - Dia Internacional dos Povos Indígenas. 

O ato foi convocado pela Aldeia Umuarama e pelo Comitê Mineiro de Apoio às Causas Indígenas. Aconteceu em frente ao Parque Municipal de Belo Horizonte/MG.

Foi denunciado o assassinato de Samuel Pataxó, conhecido como Samu, cujo nome indígena é Imamakã Vania. 

Samuel, pertencia a Aldeia Coroa Vermelha, Porto Seguro/BA. Ele foi barbaramente espancado, torturado e assassinado em Betim/MG, no dia 06 de julho de 2014, provavelmente por agentes da repressão. Até agora nada foi esclarecido. O assassinato de Samuel aconteceu a poucos dias da Copa do Mundo.

Samuel tinha 19 anos e era artesão, veio para Minas Gerais provisoriamente por questões de trabalho e sobrevivência.

Samuel Pataxó: Presente na luta!

Belo Horizonte, 10 de agosto de 2015
Notícia/Fotos/Arquivos: 
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

ENCONTRO DE LUTA CONTRA O TERROR DE ESTADO E DO CAPITAL


ENCONTRO DE LUTA CONTRA O TERROR DE ESTADO E DO CAPITAL


*Sexta-feira, dia 14/08/2015, às 18h30min.

Local: Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania

- Rua Hermilo Alves, n°290, Bairro Santa Tereza - Belo Horizonte/MG



*Painéis seguidos de roda de conversa:


- Debora Silva Maria (Santos/SP): Mãe de vítima do terror de Estado - Movimento Mães de Maio.

- Mônica Cunha (Rio de Janeiro/RJ): Mãe de vítima do terror de Estado - Movimento Moleque.

- Avelin Cambiwa (Belo Horizonte/MG): Indígena - Comitê Mineiro de Apoio às Causas Indígenas.

- Nilcéa Moraleida (Belo Horizonte/MG): Presa política durante a ditadura militar (1964-1985) - Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça/MG.

- Pelo fim do genocídio do povo negro e dos povos indígenas!

- Pelo fim das torturas, execuções e desaparecimentos forçados!

- Pelo fim da criminalização dos pobres! Pelo fim da criminalização da luta dos Trabalhadorxs do campo, da cidade e do movimento popular!

- Pela liberdade de todxs xs presxs políticxs! Pela liberdade de protesto, manifestação e expressão!

*Emitiremos certificado.

*Após a programação do encontro, haverá coletânea de músicas: 
Hip Hop de luta contra o terror de Estado e do capital!

Evento em rede social:


ATO PELA LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO E CONTRA A PERSEGUIÇÃO POLÍTICA!


Ato pela liberdade de manifestação e contra perseguição política
Realizado, no dia 29/07/2015, em Belo Horizonte, o Ato pela liberdade de manifestação e contra perseguição política - ato de desagravo ao Dr. Marino D’Icarahy.
O advogado Dr. Marino D’Icarahy tem atuado na defesa de manifestantes, de presos e perseguidos polítcos. Tem denunciado as perseguições do Estado à militantes que foram acusados de crimes por participarem de manifestações. Por isto, também, está sendo acusado e perseguido.
Segundo a Moção de apoio ao Advogado do Povo Dr. Marino D’Icarahy: "[Ele] está sendo perseguido não apenas no exercício de suas prerrogativas profissionais, mas também com ameaças a sua integridade física.
O Dr. Marino D’Icarahy, está sofrendo dois processos de calúnia e difamação. Em um deles é acusado, juntamente com outro advogado, o Dr. André de Paula, da Frente Internacionalista dos Sem Teto (FIST), em função da postura combativa que ambos desenvolveram na defesa do ativista Jair Seixas Rodrigues. No outro processo, o Dr. Marino D’Icarahy supostamente teria praticado atos de calúnia e difamação contra o juiz Flávio Itabaiana, que preside o processo contra os 23 ativistas políticos.
Além dessas acusações, ele também responde a um procedimento policial no qual é acusado de coação em curso de processo e a uma representação na Ordem dos Advogados, seccional Rio de Janeiro (OAB-RJ), por atos a ele atribuídos e também cometidos contra o juiz Flávio Itabaiana".http://abrapo.org.br/?p=718
O ato foi convocado pela ABRAPO (Associação Brasileira dos Advogados do Povo) e aconteceu na Escola Superior de Advocacia da OAB/MG.
Vários advogados, entidades, organizações e militantes estiveram presentes. Membros do Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania, que também estão sendo vítimas de perseguições, estiveram presentes.
- Todo nosso apoio aos presxs e perseguidxs políticxs.
- Todo nosso apoio Dr. Marino D’Icarahy e ao Dr. André de Paula.
- Pela liberdade de protesto, manifestação e expressão. Abaixo a criminalização dos movimentos sociais.
Belo Horizonte, 02 de agosto de 2015.
Notícia/Fotos/Arquivo:
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania.


domingo, 2 de agosto de 2015

REALIZADO EM BELO HORIZONTE O ENCONTRO DE LUTA CONTRA O GENOCÍDIO DO POVO NEGRO


Encontro de luta contra o genocídio do povo negro
Realizado, sexta-feira, dia 31/07/2015, o "Encontro de luta contra o genocídio do povo negro".
Hamilton Borges - militante do Movimento de Maioria Negra e integrante da Campanha "Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto" - Salvador/BA, fez um relato sobre a trajetória de luta do movimento e um painel sobre a Chacina do Cabula. Relatou também as perseguições sistemáticas feitas a familiares das vítimas, a moradores e a integrantes da Campanha.
Após a fala do companheiro Hamilton, houve roda de conversa. Foi grande a participação das companheiras e companheiros presentes: foram feitas várias intervenções, perguntas e comentários.
Ao final da programação do encontro houve discotecagem ao som de Hip Hop/Rap. Participação do DJ Legal. "Hip Hop de luta contra o genocídio do povo negro". Os participantes prosseguiram a conversa sobre todas as questões colocadas pelo companheiro Hamilton.
O encontro aconteceu no Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania.
- Pelo fim do genocídio do povo negro! Pelo fim das torturas, execuções e desaparecimentos forçados! Pela responsabilização e punição de todos os responsáveis pela chacina do Cabula!
- Toda solidariedade aos familiares das vítimas da chacina do Cabula! Toda solidariedade aos moradores do Cabula e às companheiras e companheiros da Campanha Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto! Pelo fim das perseguições!
- Abaixo o racismo e a segregação! Abaixo a repressão!
- Pelo fim de todo o aparato repressivo! Pelo fim da polícia militar e de todas as polícias!
- Nenhum tipo de interlocução com o aparato repressivo!
- Abaixo o terror de Estado e do capital!
- Pelos direitos humanos e pela luta independente em relação ao Estado, aos governos, aos patrões e à institucionalidade!
Belo Horizonte, 01 de agosto de 2015
Notícia/Fotos/Arquivo: Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania.