"Estamos aqui pela Humanidade!" Comuna de Paris, 1871 - "Sejamos realistas, exijamos o impossível." Maio de 68

RUA HERMILO ALVES, 290, SANTA TEREZA, CEP:31010070 - BH/MG - Ônibus : 9103, 9210, sc01; Metrô: Estação Sta Efigênia.
* e-mail: institutohelenagreco@gmail.com * facebook: Inst Helena Greco
REUNIÕES ABERTAS AOS SÁBADOS ÀS 16H - MILITÂNCIA DESDE 2003 - ESPAÇO AUTOGESTIONÁRIO DESE 2005.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

EXIBIÇÃO DO DOCUMENTÁRIO "MEMÓRIA ESSENCIAL"


EXIBIÇÃO DO DOCUMENTÁRIO "MEMÓRIA ESSENCIAL"

*Quarta-feira, dia 22 de julho de 2015, às 18h30
Local: Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania
- Rua Hermilo Alves, nº 290, Bairro Santa Tereza - Belo Horizonte/MG

* Roda de conversa entre as convidadas e o público: 

- Ceres Canedo e Luciene Araujo (diretoras do curta).

- Valéria Costa Couto ( uma das entrevistadas no documentário, irmã de Walquíria Afonso Costa, guerrilheira desaparecida no Araguaia, em 1974).

- Eliana Maria Piló Alexandrino (irmã de Pedro Alexandrino de Oliveira Filho, guerrilheiro desaparecido no Araguaia, em 1974).

- Ângela Pezzuti (membro do Movimento Feminino pela Anistia - MFPA/MG, do Comitê Brasileiro de Anistia - CBA/MG durante as décadas de 1970 e 80; familiar de Carmela Pezzuti, Ângelo Pezzuti e Murilo Silva - presos políticos banidos do Brasil pela ditadura).

* Após a exibição e a roda de conversa, haverá projeção de vídeos com músicas (MPB e latino-americanas).

"Memória Essencial" (Brasil, 2011 - duração: 5 min.)
Direção: Ceres Canedo e Luciene Araujo.

Sinopse:

Memória Essencial é um foto-documentário híbrido baseado em registros documentais e relatos de duas familiares mineiras de desaparecidos na Guerrilha do Araguaia. É também um ensaio que percorre a poética das imagens construídas pela memória daqueles que sofreram mais cruelmente as consequências da ditadura militar no Brasil (1964-1985). No curta, Maria de Fátima Marques e Valéria Costa Couto narram as trajetórias de seus irmãos e as dores provocadas pelo desaparecimento forçado de um familiar. Expõem a oscilação entre o querer lembrar e o querer esquecer esta história sem fim. Essa "morte incerta" do indivíduo ausente. Essa história silenciada. 

*Emitiremos certificado.

Evento em rede social:

domingo, 14 de junho de 2015

ÉTICA E DIREITO DE TODOS À VIDA


NOTÍCIA SOBRE O SEMINÁRIO ÉTICA E DIREITO DE TODOS À VIDA

Realizado, no dia 10 de junho de 2015, o Seminário Ética e direito de todos à vida - Exibição do documentário “À Queima Roupa”. O seminário foi organizado pela Disciplina Seminários de Bioética, do PPG em Ciências da Saúde: Infectologia e Medicina Tropical e do Mestrado em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência da Faculdade de Medicina/UFMG. O Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania foi convidado para compor parceria.

A abertura e coordenação desta atividade foi feita por Dirceu Greco (Prof. Titular, Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG). Após a abertura, foi exibido o documentário de 90 minutos.

Foram feitos painéis da diretora do filme Theresa Jessouroun, dos(as) comentaristas José Luiz Quadros de Magalhães (Prof. das Faculdades de Direito da UFMG e da PUC - MG), Heloisa Greco (Profª. de História, membro do Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania) e Elza Machado de Melo (Profª. do Departamento de Medicina Preventiva e Social e Coordª do Mestrado em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência da Faculdade de Medicina da UFMG).

Após as falas foi aberta a palavra para o público que fez perguntas e comentários. Estiveram presentes trabalhadores(as) da educação, estudantes  da Faculdade de Medicina e de outros cursos, militantes de vários movimentos sociais, militantes contra a redução da maioridade penal e de direitos humanos. O seminário aconteceu no auditório principal da Faculdade de Medicina da UFMG. Houve entrega de certificado para todo público presente. No encerramento houve uma apresentação espontânea da cantora Rosa Helena que cantou música latino-americana.

Na manhã seguinte, dia 11 de junho 2015, o filme foi exibido novamente para estudantes de Pós-graduação da Faculdade de Medicina, em sala de aula. Após houve roda de conversa com a diretora do filme, Dirceu Greco, Elza Machado de Melo, Heloisa Greco e Itamar Sardinha (professor do Depto de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina/UFMG).

A importância do documentário está na escolha do objeto e do tratamento dado a ele: a denúncia da guerra generalizada contra os pobres como questão estrutural, como política de Estado. O filme mostra a maneira como as chacinas perpetradas pela Polícia Militar do Rio de Janeiro estão institucionalizadas e são resultado de ação da cadeia de comando. Revela-se como estas chacinas assumiram periodicidade assustadoramente regular nos últimos 20 anos - a partir do massacre de Vigário Geral, em 1993.   É notável a intervenção das vítimas das chacinas institucionalizadas mostradas no filme.  Só elas podem ser os sujeitos da própria emancipação. A maioria das vítimas do aparato repressivo é composta por jovens negros(as) e pobres.  As comunidades atingidas se organizam através de associações e movimentos para combater a violência estatal à qual estão submetidas.

Trata-se de um documentário investigativo que constitui também contraponto ao aparato midiático burguês.  Esta mídia funciona como caixa de ressonância e amplificação da exploração, opressão e repressão do Estado capitalista e da propaganda de seu aparato repressivo. O eixo em torno do qual os debates dos dias 10 e 11/5 giraram foi a necessidade de amplificação da denúncia da violência policial institucionalizada. 

A partir destes debates ficou clara a nossa necessidade de insistir cada vez mais na demarcação com a posição de certos setores que se reivindicam de esquerda, de partidos, movimentos, ONGs e indivíduos que estabelecem empatia com delegados, coronéis e outras ‘autoridades’ que têm um discurso aparentemente mais palatável, mas que estão no topo da cadeia de comando do aparato repressivo e do Estado.  Estes setores dão voz para agentes do aparato policial e militar, os levam para o movimento popular, dão visibilidade, conciliam.  Os nossos parceiros são as vítimas do terror do Estado e do capital: é junto com eles que lutamos ombro a ombro – e não com os de cima.  A militarização assumiu um papel forte em nosso cotidiano.  Assim, diversas atividades que em primeiro plano eram colocadas como de resistência ao aparato repressivo, agregam agentes da repressão que dizem divergir, numa perspectiva "micropolítica", das instituições das quais fazem parte, como se a própria repressão se tornasse o herói. Uma vez que dar voz a esses agentes é dar voz à instituição à qual pertencem, não se toca realmente na questão do aparato repressivo e na questão da hegemonia capitalista – ambas estruturais. Na lógica da militarização do cotidiano, isso acaba por minar a luta que deve vir justamente dos reprimidos.

Consideramos que nossa empatia deve ser estabelecida exclusivamente com as vítimas deste terror de Estado e do capital - as classes torturáveis de sempre.  Não se pode perder de vista que a Polícia Militar do Brasil é a mais violenta do mundo, é aquela que mais mata entre as polícias de todos os países do planeta, como o próprio documentário explicita com evidências empíricas incontrastáveis. Reiteramos que a nossa luta é pelo desmantelamento de todo aparato repressivo, o que inclui o fim – e não apenas a desmilitarização - da Polícia Militar. 

Agradecemos a participação e a presença de todas e todos.

- Pelo fim do genocídio de jovens, negrxs, indígenas, trabalhadorxs, pessoas em situação de rua, moradorxs de ocupações, periferias, morros, vilas e favelas.

- Abaixo a criminalização dos pobres e dos movimentos sociais!

Belo Horizonte, dia 14 de junho de 2015
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania 
(IHG-BH/MG)



Fotos/Arquivo: IHG de Direitos Humanos e Cidadania

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Seminário ética e direito de todos à vida - Exibição do documentário “À Queima Roupa” de Theresa Jessouroun

SEMINÁRIO ÉTICA E DIREITO DE TODOS À VIDA
- Exibição do documentário “À Queima Roupa” (Brasil, 2014). Duração: 90 min.

Quarta-feira, dia 10/06/2015, às 18h30 
Local: Salão Nobre da Faculdade de Medicina da UFMG
- Av. Professor Alfredo Balena, 190 - Santa Efigênia - Belo Horizonte/MG.

Entrada franca 

* Coordenação:

- Dirceu Greco (Prof. Titular, Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da UFMG).

* Comentários iniciais:

- Elza Machado de Melo (Profª. do Departamento de Medicina Preventiva e Social e Coordª do Mestrado em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência da Faculdade de Medicina da UFMG).

- Heloisa Greco (Profª. de História, membro do Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania).

- José Luiz Quadros de Magalhães (Prof. das Faculdades de Direito da UFMG e da PUC - MG).

* Debate com a diretora do filme, Theresa Jessouroun e dos comentaristas com o público.

* Entrega de certificado. Sem necessidade de inscrição prévia e aberto a toda população.

Realização: 
Disciplina Seminários de Bioética, do PPG em Ciências da Saúde: 
Infectologia e Medicina Tropical e do Mestrado em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência da Faculdade de Medicina/UFMG.

Parceria:
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania (IHG-BH/MG).

"O filme parte da Chacina de Vigário Geral de 1993, culminando com execuções cometidas em nome da lei, em 2012 e 2013".
__________________________________________

"Ética e direito a vida será tema de seminário em junho" - matéria publicada no dia 12/05/2015 no site da Faculdade de Medicina/UFMG:


"Repressão e penalidade: riscos de perda de direitos" - matéria publicada no dia 25/05/2015 no site da Faculdade de Medicina/UFMG:

"Documentário sobre violência e corrupção policial norteia seminário de ética" - matéria com a diretora Theresa Jessouroun publicada no dia 01/06/2015 no site da Faculdade de Medicina/UFMG: http://site.medicina.ufmg.br/inicial/documentario-sobre-violencia-e-corrupcao-policial-norteia-seminario-de-etica/

Evento em rede social:

Divulgação do seminário na página da Faculdade de Medicina da UFMG:

Página À Queima Roupa Filme:

À queima roupa - Trailer:

sexta-feira, 29 de maio de 2015

REALIZADO O 6º MAIO DE RESISTÊNCIA!


VIº MAIO DE RESISTÊNCIA!
Atividade realizada quinta-feira, dia 28 de maio de 2015, no pilotis da UNA Barro Preto - BH/MG.

MAIO: MÊS DE LUTA E RESISTÊNCIA DA CLASSE TRABALHADORA!

Abaixo o PL 4330/PCL 30 e abaixo as MPs 664 e 665!

Pelo fim da terceirização e da sua regulamentação! Abaixo o ajuste fiscal!

Todo apoio para os(as) trabalhadores(as) da educação e demais categorias em greve em todo o país!

Foram realizados painéis seguidos de roda de conversa:


Mediadores/as:

*Henrique da Silva Almeida - Estudante de Serviço Social (UNA), membro do Diretório Acadêmico de Serviço Social/Florestan Fernandes (DASSUNA) e do Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania (IHG-BH/MG).

*Alice Austríaco Ferreira Maciel - Estudante de Serviço Social (UNA) e membro do Diretório Acadêmico de Serviço Social/Florestan Fernanda Cristinades (DASSUNA).

*Daryane Salvina de Almeida - Estudante de Serviço Social da UNA e membro do Diretório Acadêmico de Serviço Social - Florestan Fernandes/UNA (DASSUNA)

Debatedores/as:

*Flávia Vale - Professora de Sociologia da rede estadual/MG e membro do Nossa Classe.

*Cristiano Costa de Carvalho - Assistente social, mestre em gestão social, professor e coordenador de extensão do curso de Serviço Social/UNA.

*Cláudia Simões Santos - Professora da rede estadual/MG e membro do Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação (MOCLATE).

Foram emitidos certificados. Participaram trabalhadores/as, professores/as e estudantes.

MAIO DE RESISTÊNCIA - A luta da classe trabalhadora contra a opressão e a exploração capitalistas: 
É uma das atividades periódicas de formação realizadas pelo Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania para membros, apoiadores, militantes em geral e interessados. Estas contam com a presença dos movimentos classistas e populares.Nesta edição houve a parceria com Diretório Acadêmico de Serviço Social - Florestan Fernandes/UNA (DASSUNA). Agradecemos a presença de todas e todos.

Belo Horizonte, 29 de maio de 2015
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania (IHG-BH/MG)


Fotos/Arquivo: IHG de Direitos Humanos e Cidadania.
  

quinta-feira, 28 de maio de 2015

MAIO: MÊS DE LUTA E RESISTÊNCIA DA CLASSE TRABALHADORA!


























MAIO: MÊS DE LUTA E RESISTÊNCIA DA CLASSE TRABALHADORA!
Abaixo o PL 4330/PCL 30 e abaixo as MPs 664 e 665!
Pelo fim da terceirização e da sua regulamentação! Abaixo o ajuste fiscal!
Todo apoio para os(as) trabalhadores(as) da educação 
e demais categorias em greve em todo o país!

     Ao longo deste mês de maio houve paralisação dos(as) trabalhadores(as) da educação em 12 estados do Brasil: da rede estadual no Paraná, São Paulo, Santa Catarina, Pará, Pernambuco, Paraíba, Piauí e Sergipe; da rede municipal em Maceió (AL), Macapá (AP), Goiânia (GO) e Betim (MG). Os(as) professores(as) da rede municipal de Belo Horizonte estão em estado de greve desde o dia 25/05. Professoras e professores do país inteiro se mobilizam contra o arrocho, pelo piso salarial nacional, contra o sucateamento da rede pública e contra o aviltamento das condições de trabalho. Trata-se da luta por educação pública e de qualidade. As greves do Paraná, São Paulo, Goiânia (GO) e Macapá (AP) dão a medida da truculência e do descaso dispensados aos(às) professores(as) brasileiros(as). Trata-se do mais escrachado processo de intimidação e criminalização das lutas da classe trabalhadora.  
No Paraná, no dia 29/04, o governador Beto Richa (PSDB) jogou toda a ferocidade da PM em cima da manifestação dos(das) grevistas na Assembleia Legislativa: mais de 200 professores/as ficaram gravemente feridos. A PM os atacou com todo arsenal de violência que tem à sua disposição.  Em São Paulo, o governador Geraldo Alkmin (PSDB) tem tentado invisibilizar e ignorar olimpicamente a greve – que já dura 74 dias.  Em Goiânia, no dia 23/04, a Guarda Civil Metropolitana do prefeito Paulo Garcia (PT) deixou 17 grevistas feridos (as).  Em Macapá, no dia 15/05, o prefeito Clécio Luís (PSOL) acionou a justiça contra os(as) grevistas através do tal interdito proibitório – instrumento draconiano urdido para aniquilar o direito de greve.
O piso salarial nacional tampouco é praticado em Minas Gerais.  A situação aqui é também emblemática.  O governo Fernando Pimentel (PT) lançou mão do expediente da cooptação para manter a situação de exploração e precarização extremas dos professores(as) mineiros(as).   Com a CUT/MG e o Sind-UTE/MG devidamente enquadrados foi articulado um acordo que esvaziou a reivindicação histórica dos(das) trabalhadores(as) da educação.  No lugar do piso nacional apareceu uma espécie de abono salarial em módicas parcelas até o ano de 2017.  Mantêm-se a precarização e o arrocho.  E, o que é pior: paralisa-se e congela-se a mobilização da categoria por, pelo menos, dois anos – este é o prazo do acordo.  A coordenadora-geral do Sind-UTE/MG – que é também a presidenta da CUT/MG - é membro orgânico do Partido dos Trabalhadores.  Em Belo Horizonte, o prefeito Márcio Lacerda (PSB) aprofunda seu projeto de privatização da cidade e de destruição continuada do espaço público.  Os sistemas municipais de ensino, saúde e transportes se encontram completamente destroçados.  No dia 25/05, os servidores municipais deram a largada para a agenda de mobilização da greve geral das categorias.
As universidades federais sofrem igual processo de precarização e sucateamento. Ainda neste mês de maio, os(as) trabalhadores(as) terceirizados(as)da UFRJ paralisaram as atividades por falta de pagamento.  No dia 14/05, os(as) estudantes ocuparam o prédio da reitoria em apoio aos(às) terceirizados(as) grevistas e em protesto às péssimas condições físicas e acadêmicas da instituição.  Esta destruição do ensino universitário no Brasil será, certamente, levada às máximas consequências com os cortes de despesas, que foram impostos pelo governo Dilma Rousseff (PT, PMDB, PCdoB), os quais afetam sobretudo educação e saúde.
Estes cortes de despesas estão contidos no mesmo pacote do ajuste fiscal proposto pelo governo federal.  As Medidas Provisórias 664 e 665 atingem em cheio conquistas trabalhistas e previdenciárias. O ajuste fiscal – formatado pelo Ministro da Fazenda, o Chicago boy Joaquim Levi  – vai ainda mais longe tendo como objetivo escancarado a consolidação da ortodoxia do totalitarismo de mercado, chamado de neoliberalismo:  a punição dos trabalhadores e a penalização dos pobres para que seja garantida a elevação sem limites da lucratividade do capital.  Procura-se consolidar a velha máxima capitalista – amplamente repercutida pelo aparato midiático – de que só o livre exercício da atividade empresarial pode garantir benefícios para as demais classes sociais.  Em poucas palavras: tenta-se obrigar a classe trabalhadora a ficar feliz com sua própria exploração.
O PL da terceirização, de número 4330/2004, do deputado Sandro Maciel (PMDB) – que, aprovado na Câmara dos Deputados, se tornou o PLC 30/2015 – se enquadra neste mesmo projeto de espoliação dos trabalhadores sem qualquer limite para garantir o aumento desenfreado da lucratividade do capital. A terceirização já é, há muito, realidade trágica neste país: ela oprime, avilta, mata e mutila. A terceirização procura segregar setores e categorias com o objetivo de destruir a identidade e a organização dos(as)  trabalhadores(as). A sua regulação significa literalmente a positivação da exploração equivalente à primeira Revolução Industrial.  Trata-se de mais um rebaixamento do trabalho assalariado que beira o trabalho escravo - próprio do neoliberalismo. Coincidência significativa: 4330 é também o número da Lei antigreve imposta pela ditadura militar (1964-1985), em junho de 1964. 
Tal aprofundamento da exploração e opressão é efetivado a partir da combinação indigesta da ortodoxia neoliberal da política econômica do governo com a composição nefasta do congresso nacional, a mais reacionária desde os tempos da ditadura militar. O Brasil se mantém como campeão mundial de concentração de renda e desigualdade social.  Há uma ofensiva permanente no sentido do aniquilamento das conquistas dos(as)  trabalhadores(as) da cidade e do campo, dos movimentos populares, da luta feminista, da luta da comunidade LGBT, da luta do movimento negro e da luta da população indígena.  É também cada vez maior a criminalização das crianças e dos jovens a partir de instrumentos como a PEC 171/1993, da redução da maioridade penal. Este é o país do genocídio sistêmico de jovens negros e negras, indígenas e pobres.  É também o país da tortura institucionalizada, das chacinas periódicas, das execuções sumárias, do encarceramento em massa, ou seja, da guerra generalizada contra os pobres. A criminalização dos movimentos populares e das lutas da classe trabalhadora é outro componente deste quadro: existem centenas de pessoas indiciadas por participarem de greves, ocupações e das manifestações de 2013 e 2014. Alguns deles estão presos em regime fechado. São os(as) novos(as) presos(as) políticos(as) do Brasil.  Em Belo Horizonte,  dezenas de jovens sofrem processos por terem participado das jornadas  de 2013 e 2014.
Toda esta situação descrita compõe o processo de institucionalização da barbárie no Brasil que nós, do Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania, repudiamos com veemência.  Rejeitamos o ajuste fiscal, a terceirização e sua regulamentação. Com a mesma ênfase, repudiamos a repressão que se abate sobre os(as) trabalhadores(as)  em luta em todo o Brasil.  A nossa solidariedade aos(às) grevistas deve se materializar no apoio à continuidade da luta.  No dia 29/05/2015 teremos o Dia Nacional de Paralisação rumo à greve geral, no qual a classe trabalhadora deve reafirmar a sua unidade, independência e radicalidade sempre no combate ao terror de Estado e do capital - luta sem governo, sem pelego e sem patrão.
PELA AUTO-ORGANIZAÇÃO DA CLASSE TRABALHADORA!
ABAIXO A EXPLORAÇÃO E A OPRESSÃO!
ABAIXO A REPRESSÃO!
Belo Horizonte, 28 de maio de 2015
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania (IHG-BH/MG)

domingo, 17 de maio de 2015

6º MAIO DE RESISTÊNCIA!
























VIº MAIO DE RESISTÊNCIA!
*Quinta-feira, dia 28/05/2015, às 18h
Local: Pilotis da UNA - Rua Goitacazes, 1.159, Barro Preto - Belo Horizonte/MG. 
*Nesta edição:
- Trabalhadores/as em repúdio à terceirização. Abaixo o PL 4330 e abaixo o ajuste fiscal!

- Todo apoio para os/as professores/as do Paraná em greve. Abaixo a repressão!

Painéis seguidos de roda de conversa:

Mediadores/as:

*Henrique da Silva Almeida - Estudante de Serviço Social (UNA), membro do Diretório Acadêmico de Serviço Social/Florestan Fernandes (DASSUNA) e do Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania (IHG-BH/MG).

*Alice Austríaco Ferreira Maciel - Estudante de Serviço Social (UNA) e membro do Diretório Acadêmico de Serviço Social/Florestan Fernandes (DASSUNA).

Debatedores/as:

*Flávia Vale - Professora de Sociologia da rede estadual/MG e membro do Nossa Classe.

*Cristiano Costa de Carvalho - Assistente social, mestre em gestão social, professor e coordenador de extensão do curso de Serviço Social/UNA.

*Cláudia Simões Santos - Professora da rede estadual/MG e membro do Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação (MOCLATE).

EMITIREMOS CERTIFICADO.

Organização: 
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania (IHG-BH/MG)
Parceria nesta edição: 
Diretório Acadêmico de Serviço Social - Florestan Fernandes UNA (DASSUNA).

MAIO DE RESISTÊNCIA - A luta da classe trabalhadora contra a opressão e a exploração capitalistas:
É uma das atividades periódicas de formação realizadas pelo Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania para membros, apoiadores, militantes em geral e interessados. Estas contam com a presença dos movimentos classistas e populares.
Evento em rede social:

domingo, 10 de maio de 2015

DIA DA/O ASSISTENTE SOCIAL NA UNA



15/05/2015 (sexta-feira/manhã) – Dia de assistente social com café da manhã, intervenção cultural e roda de conversa.

Horário: 8:00 às 11:30h
Local: Pilotis, Centro Universitário Una campus Barro Preto - Rua Goitacazes, 1.159 - Barro Preto.


Intervenção cultural: “CRIANÇAS NA PISTA”

Organizado pela Cia De Arte Mobilização da Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social da PBH, é um grupo que utiliza o teatro como ferramenta para a mobilização social,levando arte, informação, transformação e cidadania para todos.

RODA DE CONVERSA - A IDADE E AS RAZÕES: NÃO AO REBAIXAMENTO DA IMPUTABILIDADE PENAL

Convidadas:

Heloísa Greco (Bizoca), Professora e doutora em História (UFMG), membro do Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania (IHG) e da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça/MG.

Andrêza Almeida Fernandes Alves, assistente social com atuação no Centro de Atenção Psicossocial(CAPS) na Prefeitura de Lagoa Santa, especialista em Abordagem Psicossocial no contexto das políticas públicas pelo Centro Universitário Una, representante do CRESS-MG no Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais.

Laila Vieira de Oliveira, bacharel em letras, Arte Educadora no Programa ProJovem Adolescente na política de Assistência em Belo Horizonte com Mediação de oficinas com adolescentes atendidos pelos CRAS localizados nas regiões periféricas de BH. Trabalha com oficinas de Letras (Literatura e poesia), além de militar na luta antimanicomial em Belo Horizonte.


PROGRAMAÇÃO DE 11/05 A 30/05!
  Veja a programação completa no link:
ASSISTENTE SOCIAL: PROFISSIONAL DE LUTA, PROFISSIONAL PRESENTE. Pelas políticas públicas, pelos direitos humanos!

terça-feira, 5 de maio de 2015

INÊS ETIENNE ROMEU: PRESENTE NA LUTA!


 COMPANHEIRA INÊS ETIENNE ROMEU: PRESENTE NA LUTA!
1942 - 2015
            No dia 27/abril de 2015, a nossa grande companheira Inês Etienne Romeu faleceu, no Rio de Janeiro, aos 72 anos.  Inês Etienne combateu bravamente a ditadura militar à frente das organizações POLOP, VPR e VAR-Palmares.  Ela foi a última mulher presa política a ser libertada no Brasil.  Não foi anistiada pela Lei 6683/1979:   sequestrada pela repressão, em maio de 1971, só saiu da prisão sob liberdade condicional, em setembro de 1979. Em 1972, foi condenada a prisão perpétua, pena que foi depois comutada para 30 anos e, finalmente, reduzida para 8 anos. Esta pena foi cumprida no presídio Talavera Bruce (Bangu/RJ).

            A companheira Inês foi alvo de um dos casos mais impressionantes de toda a história da repressão política no Brasil. Trata-se da única presa política a sair viva da chamada Casa da Morte de Petrópolis/RJ, a qual era operada conjuntamente pelos órgãos de segurança das Forças Armadas – CISA, CIE, CENIMAR E DOI-CODI.  Lá, Inês Etienne foi mantida em cárcere privado e submetida – por 99 dias! - ao horror absoluto de um aparelho montado exclusivamente para trucidar, esquartejar e fazer desaparecer opositores.  Tornou-se testemunha ocular do assassinato sob tortura de, pela menos, 5 companheiros.  Até onde é possível saber – uma vez que os arquivos da repressão ainda não foram abertos – mais de duas dezenas de presos políticos passaram por esta Casa da Morte.

            Em 1981, Inês Etienne conseguiu localizar a Casa da Morte, revelando seu endereço (Rua Arthur Barbosa, 120, Petrópolis/RJ) e a identidade de seu proprietário (Mário Lodders). Identificou também o torturador Antônio Vaneir Pinheiro, que a estuprou, e Amilcar Lobo, o médico (?) que monitorava as torturas. A companheira ajuizou, então, a primeira ação declaratória - cível, portanto, não penal – contra seus torturadores.

            A companheira Inês Etienne, nunca abriu mão do combate contra o aparato repressivo da ditadura.  Continuou lutando mesmo depois do estranho incidente que sofreu aos 61 anos, em 2003, que causou perda de massa encefálica, o que lhe trouxe dificuldades de fala e movimento.   Este incidente nunca foi esclarecido, apesar do relatório médico que aponta “traumatismo craniano devido a múltiplos golpes”.

            Sua coragem, coerência e combatividade é referência para todas e todos que mantêm erguida a bandeira da luta por memória, verdade e justiça e pelo desmantelamento do aparato repressivo.

Belo Horizonte, 5 de maio de 2015.
INSTITUTO HELENA GRECO DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA (IHG-BH/MG)