"Estamos aqui pela Humanidade!" Comuna de Paris, 1871 - "Sejamos realistas, exijamos o impossível." Maio de 68

R. Hermilo Alves, 290, Santa Tereza, CEP: 31010-070 - Belo Horizonte/MG (Ônibus: 9103, 9210 - Metrô: Estação Sta. Efigênia). Contato: institutohelenagreco@gmail.com

Reuniões abertas aos sábados, às 16H - militância desde 2003.

domingo, 8 de dezembro de 2019

ENCONTRO ANUAL DE ESTUDOS DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA 2019

ENCONTRO ANUAL DE ESTUDOS DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA - 7ª edição (2019)

 Sábado, dia 21 de dezembro de 2019 - de 16:00 às 18h

Local/EndereçoInstituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania - Rua Hermilo Alves, 290, Bairro Santa Tereza - Belo Horizonte/MG.

 LEITURA PARA DEBATE:
MAGRI, Cledir Assísio. A educação em direitos humanos: uma abordagem a partir de Paulo Freire. REP - Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v.19, n. 1, p.44-63, jan./jun. 2012.

 TEXTO PARA BAIXAR E IMPRIMIR (20 páginas) - Acesse:

- Solicitamos a todas e todos participantes que venham com o texto lido.

- O texto A educação em direitos humanos: uma abordagem a partir de Paulo Freire, além de estar disponível através do link acima, também está disponível para fotocópia. Pode ser enviado virtualmente. Solicite-o através dos nossos contatos.

- O horário do encontro é de 16:00 às 18 horas. Chegue no horário - aguardaremos a chegada das(os) participantes até às 16h15. O encontro poderá se estender após as 18h.

- Serão emitidos certificados para participantes (quem quiser recebê-lo deve nos informar até um dia antes do encontro).

Dezembro: mês dos Direitos Humanos!

★ INFORMAÇÕES/CONTATOS:
(31) 2535 – 4667

★ EVENTO EM REDE SOCIAL:

Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania:
16 anos de luta contra o terrorismo de Estado e do capital!

sábado, 9 de novembro de 2019

ESPETÁCULO TEATRAL 68

ESPETÁCULO TEATRAL 68 - A DITADURA MILITAR EM BELO HORIZONTE

01 a 03 novembro
08 a 10 novembro/2019

ESPAÇO ABERTO PIERROT LUNAR
R. Ipiranga, 137 - Floresta, Belo Horizonte

sex e sáb. 20h30 | dom. 19h

Teatro • Exposição fotográfica
Homenagem à Dona Helena Greco

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

ATO EM BH: TODO APOIO À LUTA DOS CAMPONESES, INDÍGENAS E QUILOMBOLAS DA BAIXADA MARANHENSE

TODO APOIO À LUTA DOS CAMPONESES, INDÍGENAS E QUILOMBOLAS DA BAIXADA MARANHENSE – ATO POLÍTICO EM BELO HORIZONTE:


Data: 21/10/2019 (segunda-feira);

Horário: 19 horas;

Local: FAFICH (UFMG Campus Pampulha) - Auditório Carangola (piso térreo);

Endereço:
  Avenida Presidente Antônio Carlos, n° 6627, Pampulha – Belo Horizonte/MG.

Mesa de debate / haverá emissão de certificado (4 horas).


INFORMAÇÕES/ACESSE (links):

- TODO APOIO AOS CAMPONESES, INDÍGENAS E QUILOMBOLAS DA BAIXADA MARANHENSE:

- FÓRUNS E REDES DE DEFESA DOS DIREITOS DA CIDADANIA DO MARANHÃO:

NOTA PÚBLICA DE APOIO E REPÚDIO – LIBERDADE PARA OS LAVRADORES PRESOS POLÍTICOS DO GOVERNADOR FLÁVIO DINO! (JOEL, EMILDE, EDILSON, LAUDIVINO):

https://madiariodeluta.wordpress.com/2019/10/02/nota-publica-de-apoio-e-repudio/

 

- BELO HORIZONTE: ATO EM SOLIDARIEDADE À LUTA PELA TERRA NO MARANHÃO SERÁ REALIZADO NA UFMG:

https://anovademocracia.com.br/noticias/12136-mg-ato-em-solidariedade-a-luta-pela-terra-no-maranhao-sera-realizado-na-ufmg

 

- MA – CAMPANHA NACIONAL DE LIBERDADE AOS PRESOS POLÍTICOS DO GOVERNADOR FLÁVIO DINO:

http://abrapo-org.umbler.net/2019/10/04/nota-publica-de-apoio-e-repudio/

 

https://cebraspo.blogspot.com/2019/10/ma-liberdade-aos-presos-politicos-do.html

sábado, 28 de setembro de 2019

ESPETÁCULO TEATRAL 68 - A DITADURA MILITAR EM BELO HORIZONTE

"O espetáculo teatral 68 traz à discussão os momentos fundamentais da luta contra a ditadura militar, dramatizando episódios que marcaram a resistência do povo brasileiro, tendo como foco as experiências vividas em Minas Gerais, particularmente, na cidade de Belo Horizonte".
Teatro Marília
27 a 29 setembro/2019
Sexta e Sábado às 20h
Domingo às 19h
Sessão especial com acessibilidade em libras.
Teatro • Cinema • Debate.
ACESSE:

sexta-feira, 30 de agosto de 2019

ATO EM BH - 40 ANOS DA ANISTIA POLÍTICA: A LUTA CONTINUA!

40 ANOS DA ANISTIA – ATO EM BH
        Realizado na quinta-feira, dia 29 de agosto de 2019, em Belo Horizonte/MG, o ato 40 anos da Anistia política: a luta continua! Aconteceu em frente o Memorial de Direitos Humanos (antigo DOPS – um dos maiores centros de tortura da ditadura militar).
        Estiveram presentes familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos, banidos, exilados e presos políticos durante a ditadura. Participaram também militantes, entidades de Direitos Humanos, movimentos por Memória, Verdade e Justiça, movimentos sociais, movimento estudantil e sindicatos.
- EM DEFESA DO MEMORIAL DE DIREITOS HUMANOS!
- PELO DIREITO À HISTÓRIA, À MEMÓRIA, À VERDADE E À JUSTIÇA!
- DITADURA E TORTURA NUNCA MAIS!
- PELO DESMANTELAMENTO DO APARATO REPRESSIVO!
- PELO ABERTURA IRRESTRITA DOS ARQUIVOS DA DITADURA!  
- NEM PERDÃO, NEM ESQUECIMENTO, NEM RECONCILIAÇÃO: PUNIÇÃO AOS TORTURADORES E ASSASSINOS DE OPOSITORES DURANTE A DITADURA MILITAR!
- POR UMA ANISTIA AMPLA, GERAL E IRRESTRITA!
Belo Horizonte, 30 de agosto de 2019
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania – BH/MG














quinta-feira, 29 de agosto de 2019

NOTA SOBRE A ANISTIA

40 ANOS DA LEI DE ANISTIA PARCIAL E RESTRITA:
POR UMA ANISTIA AMPLA, GERAL E IRRESTRITA!
        No dia 28 de agosto deste ano a lei de anistia parcial (lei 6683/1979) completou 40 anos. Ela só foi possível a partir de forte pressão dos movimentos de luta contra a ditadura militar (1964-1985), os quais exigiam Anistia Ampla, Geral e Irrestrita. A ditadura, no entanto, impôs uma anistia restrita e parcial - muitas das vítimas do regime não foram anistiadas. Concedeu, por outro lado, anistia total e automática para os agentes do Estado que perpetraram crimes contra a humanidade: torturas, assassinatos, desaparecimentos forçados, ocultação de cadáveres. Tais crimes, todos sabemos, são universalmente inafiançáveis, imprescritíveis e inanistiáveis.
        Nestas quatro décadas, houve conquistas pontuais no que se refere ao direito à História, à Memória, à Verdade e à Justiça. Isto se deu a partir do acúmulo da luta pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita e pela defesa dos Direitos Humanos. Esta luta foi travada pelo Movimento Feminino pela Anistia (MFPA), pelos Comitês Brasileiros pela Anistia (CBAs), pelos familiares de mortos e desparecidos políticos, pelos exilados, banidos e presos políticos.
        Trata-se de enfrentamento aberto e direto contra o terrorismo de Estado – processo sem desfecho devido ao avanço da estratégia do esquecimento e da conciliação ao longo do tempo. A formulação dos Comitês Brasileiros pela Anistia sobre o significado da Anistia Ampla, Geral e Irrestrita permanece atualíssima. São bastante eloquentes estes trechos extraídos das Resoluções do Congresso Nacional pela Anistia realizado em São Paulo, em novembro de 1978:
A anistia pela qual lutamos deve ser Ampla - para todas as manifestações de oposição ao regime; Geral – para todas as vítimas da repressão; e Irrestrita – sem discriminações ou restrições. Não aceitamos a anistia parcial e repudiamos a anistia recíproca. Exigimos o fim radical e absoluto das torturas e dos aparatos repressores, e a responsabilização judicial dos agentes da repressão e do regime a que eles servem.”
“(...) Os movimentos pela anistia entendem claramente que não se trata de reformar o poder judiciário, a legislação eleitoral, a Lei de Segurança Nacional. Impõe-se a supressão do aparato repressivo, a desativação dos centros de tortura, oficiais, clandestinos ou militares. Impõe-se a responsabilização dos que, investidos da autoridade do poder de polícia, têm praticado torturas e assassinatos, impõe-se acabar com a impunidade dos órgãos paramilitares.”
        Sobretudo agora devemos reafirmar estes princípios – nenhum deles foi conquistado até hoje. Vivemos tempos sombrios em que a presidência da república tem como paradigmas um arquitorturador contumaz (Brilhante Ustra), os porões da ditadura e as milícias (sucedâneas assumidas dos grupos de extermínio). Adota a estratégia do esquecimento e do negacionismo como política de Estado. Membros das Forças Armadas – todos entusiastas da ditadura militar – ocupam a maioria dos cargos do primeiro escalão do executivo e se incrustam às centenas em todas as instâncias do governo. A polícia que mais mata no mundo é autorizada publicamente a fazê-lo batendo o próprio recorde de letalidade. Também o número de denúncias de tortura cresce exponencialmente. Consolida-se cada vez mais o genocídio institucional do Povo Negro e dos Povos Indígenas. Os campos e as florestas do país estão sendo literalmente aniquilados. A presidência da república investe diuturnamente contra aquelas/es que considera seus inimigos principais: indígenas, negras/os, mulheres, LGBTQIs, militantes, trabalhadoras/es,  profissionais da educação e da ciência, defensoras/es dos Direitos Humanos e do Meio Ambiente. Trata-se da reprodução do obscurantismo e da opressão da ditadura militar levada às máximas consequências.
        O dito presidente da república tem dedicado a sua vida a vilipendiar os mortos e desaparecidos políticos e seus familiares. O odioso ataque a Fernando Santa Cruz – a quem fazemos homenagem especial - é exemplo recente desta iniquidade.
        Assim, não estamos a comemorar a lei de anistia parcial e restrita. Estamos, sim, a resgatar a luta pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita: é este o verdadeiro tributo que devemos aos que tombaram na luta contra a ditadura. As companheiras e os companheiros mortos e desaparecidos políticos estão presentes conosco - hoje e sempre!
- PELO DIREITO À HISTÓRIA, À MEMÓRIA, À VERDADE E À JUSTIÇA!
- DITADURA E TORTURA NUNCA MAIS!  
- NEM PERDÃO, NEM ESQUECIMENTO, NEM RECONCILIAÇÃO: PUNIÇÃO AOS TORTURADORES E ASSASSINOS DE OPOSITORES DURANTE A DITADURA MILITAR!
Belo Horizonte, 29 de agosto de 2019
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania – BH/MG

ATO 40 ANOS DA ANISTIA POLÍTICA: A LUTA CONTINUA!
Quinta-feira, dia 29 de agosto de 2019
Concentração: às 17h
Em frente ao Memorial de Direitos Humanos (antigo DOPS - centro de tortura da ditadura) - Avenida Afonso Pena, 2351 - Belo Horizonte/MG.

Acesse:

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

ATO 40 ANOS DA ANISTIA POLÍTICA: A LUTA CONTINUA!

40 ANOS DE ANISTIA POLÍTICA: A LUTA CONTINUA!
PARCIAL, MUTILADA: NÃO FOI AMPLA, GERAL E IRRESTRITA!

        Nesse 29 de agosto de 2019 não estamos comemorando a anistia parcial, estamos lembrando a intensa luta pela Anistia Ampla, Geral e Irrestrita e a luta contra a ditadura militar (1964-1985). A anistia que veio não foi Ampla, Geral e Irrestrita. Apesar de toda a pressão do movimento popular, o seu texto legal foi imposto pela ditadura (Lei nº 6.683 de 28 de agosto de 1979). Esta institucionalizou a anistia parcial e recíproca. A expressão “crimes conexos”, colocada em seu primeiro artigo, levou a interpretações equivocadas que têm sido usadas para que não se responsabilizem e punam os agentes do Estado que praticaram crimes de lesa humanidade - sevícias, torturas, assassinatos, desaparecimentos forçados. 

     Recusamos terminantemente essas interpretações. Também recusamos a ideia de que houve “dois lados” ou “dupla mão”! Trata-se de crimes de Estado, crimes contra a humanidade. Estes, por definição, são inafiançáveis, imprescritíveis e não passíveis de anistia. Em nome dos familiares dos mortos e desaparecidos políticos, em nome de milhares de brasileiras e brasileiros que combateram a ditadura e, por isso, foram presos, perseguidos, sequestrados, torturados, mortos, desterrados, banidos e exilados, exigimos que se faça justiça! Muitos que lutaram contra a ditadura militar, que foram vítimas do terrorismo de Estado, não foram anistiados. Após 40 anos da lei de anistia parcial, os torturadores e assassinos de opositores ao regime continuam impunes. A questão dos desaparecidos políticos também não foi solucionada.

      Que se abram os arquivos da repressão, que sejam processados todos os agentes de Estado que cometeram crimes de lesa humanidade. O Brasil - que viveu 21 anos de ditadura militar - não suporta mais esse esquecimento, essa impunidade!

        Sabemos que os mecanismos de sevícias e torturas que existiam em nosso país desde a escravidão (mais de 350 anos!) foram aperfeiçoados e institucionalizados pela ditadura. Até os dias de hoje são utilizados nos morros, favelas, delegacias, centros de detenção, penitenciárias, nas florestas e no campo. Seus alvos principais são os Povos Indígenas, o Povo Negro, os(as) trabalhadores(as), os(as) insurgentes e militantes políticos e sociais. Sobretudo os(as) negros(as) e indígenas têm sido sistematicamente dizimados. Isso é genocídio sistêmico!

     É a impunidade dos crimes contra a humanidade de ontem que estimula, naturaliza, banaliza e torna impunes as torturas, execuções, chacinas e massacres do presente! 

        Exigimos um basta a isso!

PELO DIREITO À MEMÓRIA, À VERDADE E À JUSTIÇA!

PELA ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA!

RESPONSABILIZAÇÃO E PUNIÇÃO AOS TORTURADORES!

EM DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS E DOS MORTOS E DESAPARECIDOS POLÍTICOS!

DITADURA NUNCA MAIS!

Coletivo de organizadores do Ato 40 anos da Anistia Política: a luta continua.

Belo Horizonte, 29 de agosto de 2019
★ ATO 40 ANOS DA ANISTIA POLÍTICA: A LUTA CONTINUA!
Quinta-feira, dia 29 de agosto de 2019
Concentração: às 17h
Em frente ao Memorial de Direitos Humanos (antigo DOPS - centro de tortura da ditadura) 
- Avenida Afonso Pena, 2351 - Belo Horizonte/MG.

Acesse:
https://www.facebook.com/events/2478942705504346/

https://www.facebook.com/events/3530089833683872/

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

TODA SOLIDARIEDADE AOS FAMILIARES DE FERNANDO SANTA CRUZ!

NOSSO REPÚDIO AOS ATAQUES DE BOLSONARO 
AO DESAPARECIDO POLÍTICO FERNANDO SANTA CRUZ
        O Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania vem a público manifestar o mais veemente repúdio às abjetas investidas de Bolsonaro contra Fernando Santa Cruz, Felipe Santa Cruz (presidente da OAB) e seus familiares. O objetivo destas investidas é o aviltamento da memória dos mortos e desaparecidos políticos e da história de todas/os que combateram a ditadura militar (1964-1985) e sofreram sua opressão - perseguições, prisões, exílio, banimentos, torturas, mortes, estupros, desaparecimentos forçados. Elas atingem sobretudo a valorosa luta permanente dos familiares, os quais  até hoje não tiveram o direito ancestral de enterrar seus entes queridos. É o caso de Elzita Santa Cruz (mãe de Fernando, avó de Felipe), falecida recentemente aos 105 anos. Por mais de quatro décadas lutou bravamente pelo esclarecimento circunstanciado da verdade e pelo resgate dos restos mortais do seu filho. Ela e seus familiares são referência fundamental para todas/os que travam esta luta.
        Fernando Santa Cruz foi militante do movimento estudantil e da Ação Popular Marxista-Leninista (APML). Era funcionário público e estudante de direito. A data de seu desaparecimento é 23 de fevereiro de 1974. Neste dia foi preso, juntamente com Eduardo Collier Filho, pelo DOI-CODI/RJ, um dos principais centros de tortura e extermínio da ditadura militar. Eduardo Collier também é desaparecido político.
        Bolsonaro mentiu descaradamente ao longo desta semana. Ao fazê-lo, se colocou como cúmplice e apologista contumaz de crimes contra a humanidade - portanto imprescritíveis, inafiançáveis e inanistiáveis: tortura, eliminação de oponentes, desaparecimento forçado. Suas declarações, repetidas à exaustão, se consolidam como método de governo.
      Ainda ao longo desta semana, além das barbaridades brandidas contra Fernando e Felipe Santa Cruz, Bolsonaro defendeu o esbulho das terras indígenas nas aldeias Wajãpis no Amapá, banalizou o assassinato do cacique Emyra, naturalizou o terrível massacre na prisão de Altamira/Pará, apoiou o trabalho infantil e o trabalho análogo à escravidão. Precarizou as normas de segurança do trabalho para contemplar o empresariado. Afirmou ainda que sonha em implantar o trabalho forçado no sistema prisional. Tudo isto em meio ao avanço no congresso da tramitação do infame projeto de reforma (destruição) da Previdência Social.
      Este quadro constitui a essência do projeto de poder de Jair Bolsonaro. Por isto ele se cercou de militares, os quais aparelharam o primeiro escalão e têm cargos em todas as instâncias do executivo. Todos eles também saudosistas da ditadura militar. Tal projeto de poder tem como referência os porões da ditadura e como paradigma o arquitorturador Cel. Carlos Alberto Brilhante Ustra.
        O negacionismo histórico é levado às máximas consequências no governo Bolsonaro. Daí a intervenção pesada na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos com o objetivo de aniquilá-la. Nesta quinta-feira (01/08), quatro de seus membros foram substituídos por militares e integrantes do PSL. Trata-se de represália: foi esta comissão que expediu, na semana passada, o atestado de óbito de Fernando Santa Cruz oficializando – mais uma vez – que ele foi morto sob tortura pelo Estado durante a ditadura militar, em fevereiro de 1974.
        O nefando presidente da república terá que prestar contas de suas execráveis declarações. A família de Fernando Santa Cruz tem todo o nosso apoio e solidariedade nas iniciativas encaminhadas neste sentido. O desagravo definitivo diz respeito à prestação de contas à sociedade e à História. Isto só será possível com o aprofundamento da luta pelo direito à História, à Memória, à Verdade e à Justiça, pela abertura dos arquivos da repressão, pelo desmantelamento do aparato repressivo.
COMPANHEIRO FERNANDO SANTA CRUZ: PRESENTE!
COMPANHEIRA ELZITA SANTA CRUZ: PRESENTE!
PELO DIREITO À HISTÓRIA, À MEMÓRIA, À VERDADE E À JUSTIÇA!
DITADURA NUNCA MAIS!
ABAIXO O TERRORISMO DE ESTADO!
FORA BOLSONARO! FASCISTAS NÃO PASSARÃO!
Belo Horizonte, 2 de agosto de 2019
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania – BH/MG

sexta-feira, 21 de junho de 2019

DEBATE NA E.E. MACHADO ASSIS

ImagemDebate Luta contra a reforma da Previdência e contra os cortes na Educação 
no auditório da E.E.Machado de Assis, Vespasiano/MG. Foto: Professora Hilda
DEBATE CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA E CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO NA E.E. MACHADO ASSIS
        No dia 11/06/2019 foi realizado o debate Luta contra a reforma da Previdência e contra os cortes na Educação! Aconteceu na Escola Estadual Machado de Assis, em Vespasiano/MG.
        O debate foi organizado pelo Professor de História da escola, Kleiton Gomes, em parceria com o Sind-UTE Subsede Vespasiano/São José da Lapa-MG, o Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania – BH/MG e a Ocupação Permanente FaE.  Foi discutido o desmonte da Previdência Social e da Educação Pública executado pelo governo Bolsonaro. Foi reafirmada a necessidade de participação na Greve Geral do dia 14 de Junho.
    Houve painéis seguidos de roda de conversa com as/os seguintes participantes na mesa:
- ISAC RIBEIRO: Estudante do 3º ano do Ensino Médio da Escola Estadual Machado de Assis;
- RAPHAELLA MORAIS: Professora de História e membro do Sind-UTE Subsede Vespasiano/São José da Lapa-MG;
- JOÃO MARTINHO: Professor de História, membro do Sind-UTE Subsede Vespasiano/São José da Lapa-MG e do MOCLATE;
- DIVA MOREIRA: Ativista do movimento negro, da luta pela Anistia contra a ditadura na década 1970, membro da Auditoria Cidadã da Dívida e cientista política;
- FELIPE CASTANHEIRA: Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais;
- KLEITON GOMES: Professor de História e membro do Sind-UTE Subsede Vespasiano/São José da Lapa-MG;
- RAQUEL ALVES: Educadora Social, estudante de Pedagogia da FaE/UFMG e membro da Ocupação Permanente FaE;
- EVANGELY RODRIGUES: Professora municipal do Ensino Fundamental e da Educação Infantil e membro da Diretoria Colegiada do Sind-REDE_BH.
      Continuaremos a seguir a proposta de realização de debates itinerantes em escolas do ensino fundamental e médio, periferias, vilas, favelas e ocupações. Agradecemos a parceria e a participação de todas e todos!
- Não à “reforma” da Previdência! Não ao fim da aposentadoria!
- Não ao desmonte da Educação! Todas/os contra os cortes de verbas!
Belo Horizonte, 21 de junho de 2019
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania 

segunda-feira, 10 de junho de 2019

CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA E CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO!

LUTA CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA
E CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO!
DATA: Terça-feira, dia 11 de junho de 2019 - de 19:00 às 20h30m.
LOCAL/ENDEREÇO: Auditório da Escola Estadual Machado de Assis - Rua Alberto Lázaro, 476, Názia - Vespasiano/MG.
MESA E RODA DE CONVERSA RUMO À GREVE GERAL:
- RAPHAELLA MORAIS: Professora de História e membro do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) Subsede Vespasiano/São José da Lapa-MG;
- JOÃO MARTINHO: Professor de História, membro do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) Subsede Vespasiano/São José da Lapa-MG e do MOCLATE (Movimento Classista dos Trabalhadores em Educação);
- DIVA MOREIRA: Ativista do movimento negro, da luta pela Anistia contra a ditadura na década 1970, membro da Auditoria Cidadã da Dívida e cientista política;
- FELIPE CASTANHEIRA: Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais;
- KLEITON GOMES: Professor de História e membro do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) Subsede Vespasiano/São José da Lapa-MG;
- RAQUEL ALVES: Educadora Social, estudante de Pedagogia da FaE/UFMG (Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais) e membro da Ocupação Permanente FaE;
- EVANGELY RODRIGUES: Professora municipal do Ensino Fundamental e da Educação Infantil e membro da Diretoria Colegiada do Sind-REDE_BH (Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte)
Atividade aberta ao público externo à comunidade escolar!
ORGANIZAÇÃO:
- Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) Subsede Vespasiano/São José da Lapa-MG;
- Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania – BH/MG;
- Ocupação Permanente FaE.